Aprendizagem adaptativa: por que você deve fortemente considerar em adotar

Aprendizagem Adaptativa

Reli recentemente um infográfico produzido a partir de uma pesquisa realizada pela Bersin by Deloitte, publicado em 2015, que reportou a real situação dos aprendizes modernos no contexto do treinamento e desenvolvimento corporativo.

O documento revela que eles se sentem sobrecarregados com o excesso de atividades improdutivas que realizam em bases diárias; são submetidos a diversas distrações, sobretudo com a ampla exposição que têm à internet e ao smartphone e seus inúmeros aplicativos (inclusive de trabalho!);  e são impacientes com conteúdos extensos e não atrativos – mesmo o vídeo, campeão da preferencia  dos aprendizes online, não consegue prender a atenção deles  por mais de 4 minutos.

Fiz uma reflexão sobre os mesmos problemas enfrentados no contexto do ensino  superior, onde os aprendizes, os alunos, estão em processo de formação e também intensivamente expostos aos estímulos gerados pela tecnologia. 

Seria a sala de aula presencial, ou virtual, um ambiente que produz excesso de informação, mas conhecimento insuficiente, sobrecarregando os aprendizes? E essa informação disponível, será que vai ao encontro das necessidades de aprendizagem para o mundo real?  As características reportadas produzidas num ambiente de múltiplas distrações e estímulos, não deveriam nos trazer o foco para a entrega de uma aprendizagem mais personalizada?

Um aluno, hoje, ao fazer uma busca no Google, recebe um conjunto de resultados de sua pesquisa juntamente com anúncios de produtos adaptados ao seu perfil.  O que vemos é que quanto mais navegamos na internet, quanto mais consumimos informação, compramos, nos relacionamos, assistimos vídeos, mais informações sobre nosso comportamento são coletadas e mais personalizada fica a experiência de navegação. Essa é uma tendência importante que vem sendo exportada para a educação. Não chega a ser propriamente uma novidade, mas ainda é muito pouco explorada por aqui – a aprendizagem adaptativa.

APRENDIZAGEM ADAPTATIVA: UMA TENDÊNCIA

Para termos uma ideia, o censo da ABED de 2016, reporta que os recursos adaptativos aparecem, em média,  em cerca de 16% dos conteúdos utilizados pelos cursos totalmente a distância e semipresenciais,  o que significa que existem boas oportunidades para a exploração desse recurso.

A aprendizagem adaptativa deve ser a tendência tecnológica presente nos ambientes virtuais de aprendizagem a partir de agora. A infraestrutura tecnológica disponível aliada aos poderosos algoritmos de extração e análise de dados, favorecem a construção de sistemas ou conjunto de ferramentas que ajustam os métodos de aprendizagem ao destinatário dela, gerando, assim, maior objetividade no processo individual de cada aluno.  O conteúdo educacional pode ser personalizado através da análise do comportamento e da eficiência de um  determinado aluno , permitindo que o seu perfil de desempenho seja mapeado e que sejam  realizados os ajustes com recomendações de atividades para suprir os gaps de aprendizagem encontrados.  Dessa forma, a sobrecarga cognitiva tende a ser minorada, trazendo o foco para a demanda de aprendizagem individual, praticamente em tempo real.

ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES

A personalização, hoje, é uma forte e poderosa tendência, mas não pode apenas ser um instrumento de análise e intervenção a serviço dos gestores educacionais.  Ela, sobretudo,  deve trazer informações relevantes que mobilizem os docentes e tutores a uma ação de mentoria. Deve, adicionalmente,  ser parte de uma estratégia que venha ao encontro do perfil comportamental de cada indivíduo.  Para tanto, outros atributos estratégicos de um bom ambiente de aprendizagem podem ser um excelente gerador de dados para garantir uma experiência de personalização e de adaptação da aprendizagem ainda mais precisa.  Recursos de entretenimento, como games e aprendizagem através de estórias; de colaboração, como aprendizagem em grupos,  uso de redes sociais educacionais e aprendizagem baseada em problemas; de relevância para a vida prática do aluno, como aprendizagem por competências e baseada em cenários; de aprendizagem que utilize realidade virtual aumentada, enfim, todos estes,  aliados aos já consagrados recursos tradicionais, quando alinhados a um projeto educacional maduro e consistente dentro de uma plataforma de aprendizagem adaptativa, vão gerar uma infinidade de dados que, ao serem estudados, servirão de diagnóstico individual de cada aluno, permitindo também a  antecipação eficiente de problemas de aprendizagem que surgirão.

Os diferentes estilos de aprendizagem podem e devem ser capturados pelo sistema adaptativo, de maneira a oferecer aos alunos o “remédio” de que precisam sem contraindicações.

PRÓS E CONTRAS NA ADOÇÃO DO MODELO

O que favorece o uso de plataforma adaptativa no atual ambiente de estudos?

  • As turmas são compostas de pessoas com habilidades diversas e mistas;
  • Um design de conteúdo mais apropriado às necessidades individuais dos alunos permite que o sistema avalie a capacidade deste e atribua tarefas dentro dessa capacidade;
  • O sistema ajuda o professor a identificar os talentos e habilidades naturais dos alunos;
  • Os alunos podem absorver conteúdo educacional através de diferentes caminhos educacionais personalizados;
  • O sistema ajuda a melhorar as habilidades dos alunos mais fracos, bem como desenvolver e reforçar os talentos naturais dos mais talentosos;
  • Torna possível que o professor monitore o progresso de cada aluno, geralmente em tempo real.

Quais seriam os principais desafios a serem superados no uso de uma plataforma adaptativa?

  • Dificuldade em ensinar fatos ou fornecer informações sujeitas a interpretações;
  • Os computadores nunca poderão substituir um professor em todos os seus papéis;
  • Técnicas adaptativas são menos apropriadas em certos campos da educação, como a sociologia e a filosofia;
  • Ela não é uma cura milagrosa para problemas na educação, e a aplicação desta tecnologia, se não alinhada a um projeto educacional consistente, pode não  entregar os resultados desejados no desempenho dos estudantes;
  • Custos elevados de desenvolvimento de conteúdos diversos;
  • Alterações no material podem representar um certo problema na aplicação do método adaptativo cada vez que o aluno evolui em sua trajetória educacional.

Deixe um comentário